28 julho 2020

Para que esperar a sexta-feira?

O termo nômade digital já vinha ganhando força nos últimos anos e se firmou definitivamente como tendência com a pandemia de coronavírus.

Para que esperar a sexta-feira?

O termo nômade digital já vinha ganhando força nos últimos anos e se firmou definitivamente como tendência com a pandemia de coronavírus. O nômade digital ou digital nomad nasceu com o trabalho feito pela internet, abarcando as mais diferentes profissões, incluindo programadores e analistas de áreas diversas. Geralmente autônomo, era aquele profissional que podia “trabalhar na praia” ou na chácara, desde que tivesse uma boa conexão com a internet.

Pois eis que 2020 nos mostrou que uma parcela muito maior de profissionais pode trabalhar remotamente. E então um mundo novo se abriu para pessoas que sequer enxergavam uma rotina fora das baias, máquinas de café e meses de reunião de um escritório. A nova realidade permitiu que mais gente pudesse encarar o nomadismo, ou seja, não ter lugar fixo para trabalhar, podendo fazer isso em casa, num imóvel na praia, na casa dos pais ou tios no interior etc. Sai a fila no elevador, entra o notebook na mesinha da varanda.

Por enquanto, os limites desse nomadismo ainda são estreitos. A proibição de viajar para muitos países imposta por brasileiros restringe o nomadismo às fronteiras nacionais. E mesmo as fronteiras nacionais também são restritas, já que muitos temem a exposição que uma viagem de avião pode causar – ou os problemas logísticos caso seja preciso voltar para casa rapidamente e se está longe demais. A solução está portando no deslocamento de carro!

Dados coletados pelo site Imovelweb mostraram um aumento de 310% na procura de imóveis rurais entre maio de 2019 e maio de 2020 – são sobretudo chácaras que não ficam tão distantes das grandes cidades. O levantamento foi feito em todas as unidades de federação. Em outra pesquisa da mesma empresa, outra novidade: 27% dos pesquisados disseram que fechariam negócio sem visitar fisicamente o imóvel, conhecendo-o só por vídeo e fotos.

Para os novos nômades digitais, mudar de endereço temporariamente – levando o trabalho e a eventual escola dos filhos (que atualmente também feita à distância) – ajuda a aliviar o estresse trazido pela pandemia. A tendência tem até nome, staycation, e dela ainda falarei muito. O nomadismo digital é também um novo componente na discussão da mobilidade urbana em tempos de pandemia e pós-pandemia. Quem havia dispensado o carro para usar transporte público urbano ou de aplicativos agora prefere ter um veículo à mão, mesmo que temporariamente. Vale a pena, por exemplo, considerar o aluguel de um carro mensal para ir à cidade quando necessário. Para quem passava a semana esperando chegar a sexta-feira para ver o mar ou colocar os pés na terra, o nomadismo digital permite esses prazeres sete vezes por semana – inclusive enquanto se trabalha.

Oskar Kedor – CEO e sócio-fundador da Mobility S/A